O Pároco

Biografia de Pe. Robinson Adolfo Veronezze – Atual Pároco da Paróquia São Cristóvão de Itu – SP

 

 

Pe. Robinson Adolfo Veronezze nasceu no dia 15 de novembro de 1960, na cidade de Salto no Estado de São Paulo. Filho de Adolpho Veronezze e Elza Serratti Veronezze, irmão de Rosemary Aparecida Veronezze e Rosângela Aparecida Veronezze. Foi batizado no dia 01 de janeiro de 1961, na Paróquia Nossa Senhora da Candelária, na cidade de Itu. Sua formação catequética teve início na Paróquia Nossa Senhora do Monte Serrat, em Salto, onde recebeu a sua Primeira Eucaristia no dia 04 de dezembro de 1971 e o sacramento do crisma, pelas mãos de Dom Gabriel Paulino Couto, no dia 25 de junho de 1972.

Cursou o ensino fundamental e o ensino médio na Escola Estadual de Primeiro e Segundo Grau “Professora Leonor Fernandes da Silva”, também em Salto, concluindo e formando-se técnico em química, no ano de 1978.

Dedicou parte da sua juventude trabalhando numa Drogaria pertencente a um tio da família Veronezze.

O seu primeiro curso superior foi realizado na cidade de Paranavaí, no Estado do Paraná, formando-se em Pedagogia, no ano de 1988. A partir de então, na cidade de Porto Feliz, interior de São Paulo, no Colégio Externato e Casa das Crianças de São José, atuou como professor e coordenador pedagógico.

Iniciou o seu discernimento vocacional em Itu, na Igreja Bom Jesus, sob as orientações de Pe. Paulo, da Companhia de Jesus, que muito contribuiu para a sua decisão em ir ao Seminário. Neste período, trabalhou por muitos anos na Paróquia Nossa Senhora Aparecida, cujo pároco na época era o Pe. Roberto Mendes, que o incentivou e o motivou para a vida consagrada.

Foi a partir desse trabalho que realizou com a comunidade Nossa Senhora Aparecida, que sentiu o grande desejo, o grande chamado de Deus para o seminário. E sempre contou com o apoio da sua família.

As etapas de sua formação religiosa se deram da seguinte maneira:

  • seu aspirantado, iniciou-se no dia 30 de janeiro de 1993, na cidade de Goiânia – GO, no Seminário Agostiniano Mãe do Bom Conselho.
  • seu noviciado, iniciou-se no dia 07 de fevereiro de 1995, na cidade de São Paulo, no Instituto Teológico de São Paulo (Itesp), na cidade de São Paulo, e concluiu-se em 1998.
  • sua primeira profissão religiosa na Ordem de Santo Agostinho, realizou-se no dia 11 de fevereiro de 1996, na Paróquia São Carlos Borromeu em São Paulo.
  • os votos perpétuos, também realizado na mesma paróquia, no dia 22 de novembro de 1998.
  • no dia 13 de dezembro de 1998 ordenou-se Diácono, pelas mãos de Dom Antonio Ribeiro – Arcebispo de Goiânia, na Paróquia Nossa Senhora de Fátima em Goiânia – GO.
  • no dia 11 de abril de 1999, na Paróquia São Carlos Borromeu, na cidade de São Paulo, pelas mãos de Dom Antonio Ribeiro ordenou-se Presbítero.

Dentro da ordem religiosa de Santo Agostinho exerceu várias funções: diácono e pároco da paróquia Nossa Senhora de Fátima em Goiânia, administrador do seminário Agostiniano em São Paulo, capelão da Capela Santa Mônica em Guarulhos, secretário do Colégio Agostiniano Mendel em São Paulo, vigário paroquial e ecônomo da Paróquia e Santuário de Santo Antônio em Campinas.

Sempre muito dedicado aos estudos, no ano de 1999, cursou a língua espanhola pelo Estudio Internacional Sampere em Madrid-Espanha. E mais recentemente concluiu o curso de Psicologia, formando-se em 2010 pela Universidade São Marcos, na cidade de São Paulo.

Na Diocese de Jundiaí, trabalhou no segundo semestre de 2013, na Paróquia Santa Ana e Nossa Senhora do Rosário como vigário paroquial, na cidade de Santana de Parnaíba.

No dia 26 de janeiro de 2014, assumiu a Paróquia Santo Antônio, em Aldeia da Serra, também localizada na cidade de Santana de Parnaíba, como Administrador Paroquial até o dia 25 de janeiro de 2018.

E no dia 26 de janeiro de 2018, tomou posse na Paróquia São Cristóvão na cidade de Itu, como Pároco desta comunidade, pelas mãos e consentimento do Reverendíssimo Bispo Diocesano Dom Vicente Costa, Diocese de Jundiaí.

O lema da sua missão como padre e sacerdote é: “Celebrar a Santa Eucaristia, como se ela fosse a minha primeira e última celebração, ou seja, com amor”.